quarta-feira, 19 de abril de 2017

Largo dos Caminhos de Ferro, antiga Praia dos Algarves

Onde vemos o largo em frente da fachada nobre do edifício (a do relogio) [da Estação de Santa Apolóni], era ainda então, como disse, uma pequena praia chamada dos Algarves. Convinha acabar com ella, e substituil-a pela projectada praça. [1]


Êste Largo dos Caminhos de Ferro — recorda Norberto de Araújo —, em cuja orla superior de casario, do nosso lado esquerdo, ao norte, avulta a silhueta das «Obras de Santa Engrácia», foi terraplanado em 1865. Era até então a «Praia dos Algarves» naturalmente porque aqui chegavam as mercadorias do Sul do país. O mar recuou um pouco, mas ainda no fim do século passado [séc. XIX] estava muito mais próximo do que está hoje; a obra da construção do cais de navegação e dos entrepostos levou-lhe boa faixa, como ainda sucede, mês a mês, em Santa Apolónia, em Xabregas e Poço do Bispo.  
O que a terra tem roubado ao rio em cem anos, desde Algés ao Poço do Bispo! E o Tejo —  contente! [2]

Largo dos Caminhos de Ferro , antiga Praia dos Algarves [ant. 1888]
À direita, o antigo Arsenal do Exército depois Museu de Artilharia;Cais da Fundição depois Rua Teixeira Lopes (1903)
Fotógrafo não identificado, in AML

O Largo em frente da Estação principal da então designada Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses passou por edital de 12 de Novembro de 1880 a denominar-se Largo dos Caminhos de Ferro. Também a Rua do Cais dos Soldados pelo mesmo edital passou a ser a Rua dos Caminhos de Ferro.

Largo dos Caminhos de Ferro [c. 1900]
Ao fundo, o cais da Empreza Nacional de Navegação a Vapor para a Africa Portugueza; a dir. o antigo Arsenal do Exército depois Museu de Artilharia
Machado & Souza, in AML

Este topónimo deriva da proximidade à Estação de comboios de Santa Apolónia, meio de transporte que em Portugal havia sido iniciado apenas 24 anos antes, com a viagem inaugural em 28 de Outubro de 1856, na qual o comboio baptizado D. Pedro V, partindo da Estação de Santa Apolónia ligou pela primeira vez Lisboa ao Carregado, a primeira linha de Caminho-de-ferro nacional. [3]

Largo dos Caminhos de Ferro [Início do séc. XX]
Ao fundo, a Estação de Santa Apolónia; ardinas
Paulo Guedes, in AML

Bibliografia
[1] (CASTILHO, Júlio de, A Ribeira de Lisboa, p. 123, 1893)
[2(ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XV, p. 17)
[3] (cm-lisboa.pt)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics